férias

pontedesor2

uma astronauta, uma vaqueira e uma varina. uma casa sem telhado para se verem as estrelas mais brilhantes. um monte sobre as terras altas do alentejo. um piano admiravelmente triste e uma melancia alcoólica. e mais uma piscina com muitas gentes. e um pedaço de rio sem absolutamente ninguém. uma cegonha e uma águia no céu, um presumido javali e uma cobra imaginária. o pereira e a dona belita e a mulher do presidente da junta. um teatro que não se chega a entrar e uma actriz que se gosta de conhecer. azinheiras e sobreiros, pão e vinho. uma mesa requintada para motivar a partilha. a imaginação livre e sempre a esperança. uma fotografia dos anos setenta com três rockers destruídos. barrigas cheia de mimo e risadas altas. uma lágrima descontinuada para lembrar que a existência é real. 2009

+ conclusões banais

 

Anúncios

viva méxico

 

Foram três semanas, de mochila às costas, ao longo de cerca de 3000 quilómetros de Estados Unidos Mexicanos, pelas Caraíbas, montanhas chiapanecas, Pacífico e uma das maiores metrópoles do mundo. E agora está aqui, no Viaje Comigo, o relato das experiências de dois portugueses. Mafalda Martins e Sérgio Correia foram os mochileiros de serviço no verão de 2013. Por Susana Ribeiro

Ler mais…

queima do judas

.

Um novo advérbio, helenamente. As palavras de Ruy Belo que dizem a maneira mais triste de se estar contente, sozinhos entre a gente. É assim Helena, a Primavera da história. Vive firme na procura de seu José-o-homem-dos-sonhos, que um dia partiu dessa rua alegre que é Vila do Conde. Judas, ardiloso e machista, quer Helena para si, qual Inverno ruim. E todos leva na confusão… os cupidos e os diabretes, os artistas do circo e as mulheres do mundo, a bela Marylin e o rapaz-memória. Mas quando o cosmos se endireita, a história dá uma volta: É triste ir pela vida como quem regressa e entrar humildemente por engano pela morte dentro… – Vais morrer Judas! E o mundo viaja no tempo, para nos dar uma segunda oportunidade.
Ler mais…

freud explica…

sonhei que fugia. aflita, apavorada. de mãos cerradas, não fosse perder os filhos. sim, os filhos. que eram, na verdade, da terra mais do que meus. fugia com as mãos fechadas não fosse deixar cair as sementes. esses filhos que escondia nas mãos. os embriões-em-forma-de-pevide que, uma vez espetados na terra castanha fértil, cresceriam que nem um pé-de-feijão, mas em forma de corpo humano, de gente, com pernas e braços e olhos e coração. corria estrada fora em velocidade arrastada. fugia de quem me iria fazer mal. de quem me abriria as mãos à força e me levaria para sempre os filhos. que, uma vez plantados, cresceriam saudáveis. longe, sem nunca conhecer a mãe. 

+ conclusões banais

hoje parti um espelho

 

hoje parti um espelho.
um desafio à sorte, que me permite passar para o outro lado. ouso olhar para mim e encontro-me na rua da abundância. da velocidade imposta, da dependência absoluta, dos saberes dispersos, das armas disparadas, da natureza desprezada, das leis duvidosas…
se esta rua fosse minha, regava todos os dias o meu jardim! usava o ar parar respirar e viajar, o mar para mergulhar e pescar, o outro para amar, o trabalho para actuar. porque somos todos iguais na efemeridade. porque prisão maior é a da ignorância e da indiferença. porque se a originalidade pode estar em vias de extinção, a criatividade não.
desisto então de desvendar o mundo, para apenas me localizar nele.
olho ao espelho e estico o dedo: estou aqui.

 
Ler mais…

o peso do beijo

o beijo é um bem-querer. entre amigos um adeus ou um olá. nos amantes, a paixão.
basium é como se diz em latim. o toque dos lábios em qualquer coisa, em alguém.
o beijo é tão antigo quanto homem. nos primitivos era para os deuses. nos gregos e romanos para toda a gente.
o beijo é química: 9 mg de água, 0,7 g de albumina, 0,18 g de substâncias orgânicas, 0,711 mg de gorduras e 0,45 mg de sais. e matemática: 29 músculos em movimento, 12 quilos de pressão, 3 sentidos em acção.
tudo é beijo.

Ler mais…

medo é memória

 

medo é paralisia, timidez, ansiedade.
rédea curta.
medo têm todos os homens.
acima da raça, crença, classe, nacionalidade, clube. além do rótulo.
medo é condição humana. faz-nos acreditar.
motor do sonho, do conhecimento, da conquista.
uma questão de sobrevivência.
medo tem do outro lado a liberdade.
mundo de heróis.
iguais e diferentes, vencedores.
o princípio da esperança.
medo não tem no seu pior a morte.
dela nasce a memória.
na história, no livro, no disco rígido, no coração.
medo mau é o que temos de nós.
do ridículo. da solidão. de um beijo no escuro.
mede vence-se com partilha, troca.
um processo de transferência. de frontalidade em rede.
medo é do que somos feitos.
eterna matéria efémera.
 
2009
 
+ conclusões banais
 
 
 

tell me the truth

“and you know what’s so good about the truth? everyone knows what it is however long they’ve lived without it. no one forgets the truth, they just get better at lying”.

 richard yates, revolutionary road, 1960.
.
.

um palácio para 2009…

“Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?”

.

Fernando Pessoa, Livro do Desassossego, 1913
 

escura. ou então estava sempre de noite. não havia luminosidade que reflectisse naquelas paredes e que secasse os complexos padrões em degradé cinza que se estendiam verticalmente à beira da janela por onde a água entrava a potes nos dias violentos de chuva daquele ano infernal. as divisões multicavam-se no espaço quase ao mesmo tempo em que o próprio sonho procurava dali uma saída. Ler mais…