Category Archives: citação

tell me the truth

“and you know what’s so good about the truth? everyone knows what it is however long they’ve lived without it. no one forgets the truth, they just get better at lying”.

 richard yates, revolutionary road, 1960.
.
.

um palácio para 2009…

“Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?”

.

Fernando Pessoa, Livro do Desassossego, 1913

escrevo-logo-existo

“Eu via-me a mim própria como a escola pós-racional, primeiro criava a obra e mais tarde tentava perceber o que é que ela significava. Ainda funciono assim. trabalho com o estômago e não com a cabeça”.

Nan Goldin, 2009

eu quero… [ou inquietação crónica]

“O mal todo do romantismo é a confusão entre o que nos é preciso e o que desejamos. todos nós precisamos das coisas indispensáveis à vida, à sua conservação e ao seu continuamento; todos nós desejamos uma vida mais perfeita, uma felicidade completa, a realidade dos nossos sonhos e é humano querer o que nos é preciso, e é humano desejar o que não nos é preciso, mas é para nós desejável. O que é doença é desejar com igual intensidade o que é preciso e o que é desejável, e sofrer por não ser perfeito como se se sofresse por não ter pão. O mal romântico é este: é querer a lua como se houvesse maneira de a obter.”

Bernardo Soares / Fernando Pessoa, episódio 53 de O Livro do Desassossego, 1913

que horas são?

Quando fechei os olhos, senti o cheiro do vento. uma aragem de maio, inchada como uma peça de fruta, com a parte de fora áspera e o interior doce e carnudo, a rebentar de sementes. A polpa aberta e escancarada aos elementos da natureza, libertando as suas sementes de encontro à pele nua dos meus braços e deixando ficar no ar um ténue rasto de dor. — Que horas são? Perguntou…

Haruki Murakami, A Rapariga que Inventou um Sonho, 2005

a verdade apanha-se com enganos

“Quero ser amada só por mim  /  não por andar enfeitada  / ser adorada mesmo assim  /  careca, nua, descarnada
com perfumes a presa é fácil  /  com jóias, casacos de peles  /  gosto do amor quando é difícil  / e cheiro o meu hálito reles Ler mais…