mulher-de-emergência 0.1

mulheres3

a mulher moderna tem, de facto, de reaprender a cozinhar. e de ter tempo para depilar as pernas e arranjar as sobrancelhas, de se maquilhar pela manhã e rodopiar perfeita durante o dia… ao longo do qual deve ter em atenção o que come e arranjar um meio de alguma hora para fazer exercício. tem de se empenhar naquele trabalho que faz de si a mulher realizada e independente e que lhe permite conduzir-se em quatro-rodas-autónomas nesse final de tarde às compras… para chegar a casa e cozinhar um delicioso jantar de coisas frescas e verdes. em casa, a mobília reluz perfumada e as roupas são estendidas e engomadas para seduzirem o corpo que as há-de vestir de enfiada na manhã seguinte. tem de namorar muito e de perseguir os seus sonhos. algures na matemática das horas entram os filhos, que não poderão tardar ou sujeitam-se a vir fora do prazo-de-validade-dos-óvulos-contados. não! antes disso precisa de renovar o conhecimento, estudar, ler todos os livros de cabeceira e passar os olhos pelas reportagens que se amontoam na casa-de-banho em risco sério de desactualização. pelo meio, há que ter personalidade e opinião. deve acompanhar a vitória do obama nos estados unidos, ver a exposição do oliveira centenário a terminar em serralves, assistir ao blindness no cinema. tem de ter conhecido pelo menos duas cidades do mundo no último ano…  de visitar a família, de pagar as contas, de pôr água ao gato, de dormir. e algures pelo meio não se esquecer de viver.

Anúncios

40 comentários

  1. your.white.lóbe

    Adiante, adiante.

  2. que medo

    ai ai ai que medo

  3. ana

    mafalda, manda aí coisas…iuhuuuuuuuu!!!

  4. Carlos Ribeiro

    Modernidade, eis uma palavra que me assusta, o que é moderno? o avanço de algo! um princípio de integração! uma filosofia de vida! uma mascara emocional! ou simplesmente adubar os bolsos de alguem…quando pequenas bombas de modernidade caiem nas nossas vidas apenas ficam estilhaços que completamos num puzzle que não é nosso.Será o moderno = ao evoluido, poderá ser mas qual o caminho de modernidade que nós precisamos, evoluir é intrínseco a nossa essencia mas tou farto de ver evoluir objetos dentro do meu armário que pouca ou nada falta me fazem, evoluirem produtos na minha casa-de-banho que por vezes pergunto que bem trazem para o meu corpo e que ofuscam a assinatura do meu odor, evoluirem vontades e necessidades em doses exageradas em que tento fazer tudo e nada faço bem…enfim compaixão essa sim a modernidade inalteravel.

  5. margaridaribeiro

    realmente o mestre agostinho da silva era o verdadeiro génio…e falando em culpa, ainda em relação a este assunto, se há, não é dos homens, mas sim das mulheres q permitiram ser anuladas durante seculos.mas a meu ver, a ideia não é discutir o sexo mais forte, mas talvez perceber, a condição feminina hoje. dentro da liberdade que tem, quais as escolhas da mulher. se não quer saber da sua aparencia, se antes pelo contrario e vai dia sim dia não ao ginasio,se trabalha, se tem filhos, se não arruma a casa…enfim,acima de tudo é uma mulher livre (dentro das limitaçoes de liberdade desta babilónia) que tem poder de decisão sobre a sua vida. beijinhos

  6. “o mundo avança na medida em que se pergunta”
    quem disse isto foi um homem, o mestre agostinho da silva. eu reafirmo: moderna não quero ser. tb me irrita o discurso de que a culpa é dos homens. a culpa não é dos homens. podemos falar de cenas hormonais e de ciclos biológicos e afins – q a mim em particular é uma cena q me afecta e muito e acreditem: isto não é ficção – mas falar na culpa do homem, não! não vale a pena. eu acredito que as criaturas humanas podem fazer tudo que lhes dê na real gana desde que não interfira com a liberdade do outro. e como diz outro mestre, o fellini: “reivindico o direito de me contradizer!”.

    ps: estou a elaborar o diário em imagem digital de uma mulher-não-moderna

  7. Começo a achar que vocês, mulheres, só não são mais modernas porque não querem. Para quê tantas perguntas, e tanta necessidade de saber tudo? A mulher moderna pode fazer isto… pode fazer aquilo? Pode fazer tudo! o Homem moderno caracteriza-se pela capacidade que tem em fazer tudo aquilo que lhe apeteça. Desde que não passe por cima de ninguém, claro.
    Não sei porquê, mas parece que as mulheres às vezes gostam de viver debaixo de algumas restrições. Que não é o homem que lhes impõe. Existem, e elas fazem de conta que a culpa é dos homens!

  8. eu, não sendo uma mulher moderna, ainda não me casei, e desconfio que algum dia o venha a fazer. como mulher, ou como ser humano, não sei, vá se lá saber, vivo dividida entre: a vontade q um dia apareça o principe no cavalo branco com um anel de noivado e q faça tudo que a mente de uma menina constroi durante anos, e por outro renego tudo isso. agora, a questão é saber se eu renego porque nunca ninguém o fez como eu tinha sonhado, ou se renego pq renego mesmo e não acredito na instituição casamento, pq tenho pavor ao divórcio, e mais milhentas razões q podia enumerar, mas são dentro do género. sei q o amor é muito mais simples que tudo isso.

  9. your.white.lóbe

    Casam, as mulheres modernas casam, têm filhos, orgasmos com os maridos e tudo.

  10. eu alinho mags, vai é ser de muita fraca qualidade (do telemovel) mas alinho. e mais começo já hoje.

  11. margaridaribeiro

    posso fazer uma proposta? e fazermos, quem quiser claro, uma especie de diario visual sobre o tema? já que mexeu assim tanto …q dizem?beijinhos

  12. ssadie

    falo do meu cantinho de menina-que-aprende-como-ser-mulher (moderna???)… Não sei se concordam, ou se é um acordo tácito, mas uma das coisas que me parece mais importante para que nos transformemos em “MULHERES” é a nossa liberdade e direito de preservarmos a nossa individualidade e autenticidade, sempre. Mais do que moderna, desejo ser FELIZ. será?

    P.S.: respondam por favor… Mulheres modernas casam-se?

  13. bruno

    Parece-me mais uma mulher-máquina

  14. hei! mas eu não sou moderna! que fiquem isso claro:P

  15. dasssssss… vou ter de estudar os comentários e alagar a pesquisa durante o fim-de-semana para poder fazer o artigo que merece nascer deste fórum. obrigada a todos os modernos que se assumiram, ehehe :P

  16. Acho que no fundo, e concordando um pouco com tudo aquilo que tem vindo a ser escrito por aqui, tudo se resume a uma ideia. A modernidade é o “romper intencional” com aquilo que é o actual. E ao mesmo tempo, é a liberdade para ter livre arbitrio, e a capacidade para acompanhar aquilo que interessa a determinada pessoa. Ou a determinada mulher, porque é aquilo que aqui se fala.
    Quer seja com pêlos debaixo dos braços ou a abanar o soutien em praça pública. De phones nos ouvidos ou com a agulha em cima do vinyl. Ser moderno é saber escolher.

    (Acho que tocas-te um assunto muito pertinente Mafalda! E felizmente, parece que todos por aqui querem ser e mostrar que são modernos! Viva o avanço!!! Eheh)

  17. Enquanto fui e vim (o que só demorou um dia) não parei de pensar neste assunto e sendo que tenho a teoria de que vida moderna é uma coisa e cérebro moderno é outra, acabei a pensar na minha mãe mas já lá vou.

    Um cérebro moderno é aquele que não se espanta por tudo e por nada porque já se questionou muito e não excluiu possibilidades; uma vida moderna é a que não nos deixa perguntar absolutamente nicles porque não nos deixa tempo para isso. Há que ir à fnac comprar o último Ipod, ver 50 exposições na mesma semana em que urge vermos 7 filmes que estrearam para não ficarmos caretas perto dos nossos amigos interessantes (e porque de facto achamos que nos vão tornar pessoas melhores e mais avisadas), ler o livro de não sei quem e comprar os 4 últimos discos daquela banda fantástica daquele país esquisito que nunca ouvimos falar mas que o amigo do não sei quantos nos mostrou e que é e-s-s-e-n-c-i-a-l à nossa existência; além é claro, de todas as outras tarefas clássicas acrescidas.

    A minha mãe é um híbrido genial das duas coisas.

    Uma mulher nascida nos retrógados anos 50 numa aldeia da província com uma educação a condizer que vai regar os narcisos e buscar ovos frescos ao galinheiro de mp3 nas orelhas depois de ter comprado um disco externo de 500 gigas e que enquanto deixa a canja a cozer encomenda uma camisola da la redoute pela internet, mete-nos a nós, mulher modernas de trintas, a um cantinho assim com uma pinta do caraças. Ela busca ávidamente a vida moderna apenas porque quer e porque lhe apetece. Está mais concentrada em conseguir sozinha dominar toda a tecnologia que lhe é possível do que preocupada na carrada de cultura que tem que consumir num instantinho para se tornar uma pessoa interessante, ao contrário de nós que não temos (aparentemente) escolha.

    Resumindo e baralhando, moderno é o cérebro-vasco-da-gama que viaja sem preconceitos num mar de perguntas e por questionar tudo vai sem quererendo, descobrindo muitas coisas, antes mesmo delas serem inventadas.

  18. Epá… eu vou ler e já participo… hahahahaha… Mas a minha nova costela açoreana molengona vai fazer com que leve algum tempo :D

  19. cá para mim estão todas enganadas…

    completamente não, mas um bocadinho…

    a mulher que vocês falam não existe…

    melhor, apenas existe num pequeno “nicho” da nossa portugalidade…

    alias essa mulher não existe fora do contexto global de modernização tanto da sociedade como do homem (a sociedade tem que permitir que ela exista e o homem tem que se modernizar para também existir)…

    sou um pequeno descrente, portugal é um pais de gente antiga, um pais de poetas ricos onde não se lê poesia… o louvável nicho pequeno que falo somos todos nós que temos tempo (e o tempo faz-se) para fazer tudo o que a modernidade nos pede, todas as premissas referidas no post de cima…

    se formos contar bem contado, para cada 1 mulher moderna temos 100 burgessas… 50 delas a puxar para baixo qualquer rasgo de mais alguma coisa…

    por isso, espero eu que vocês sejam a excepção à regra e quando vos for dada a oportunidade de educar um filho, ou uma filha, lhe mostrem toda a sua contemporaneidade…

    ps. homens modernos também os há, daqueles que fazem tudo que as mulheres fazem incluindo, refeições, emoções, tirar pó e peidar… ;-)

    ps2. cheira-me que deveria reler isto tudo que acabei de escrever para evitar bacuradas… enfim…

  20. Esta boa a conversa e curiosamente vou comungando da opinião de todos os que vão intervindo, destacando os comments do José Carlos e do Paulo que estão muito bem conseguidos… A do cobre dá que pensar!! Enfim…
    Quanto às meninas… Impecáveis. Mais uma vez Mafalda e amigas, parabéns pela saudável discussão em redor do tema… Mas sim a educação parece ser a chave da coisa! Beijos ou Abraços (conforme o caso)

  21. “sejam responsáveis: libertem-se da culpa!”

    curti o slogan subias ;)

  22. … de repente parece-me que caímos naquela questão básica, mas essencial, que é a educação. e se calhar o fosso, que alimenta esta discussão, está mesmo aí: são as mulheres que educam as outras mulheres e os homens que hão-de vir. e de alguma forma não o estão a fazer de acordo com a mudança que está a acontecer ou que já aconteceu. mudança essa que sente a necessidade de romper. com a cena “judaico-cristã” e com a moral, que é necessária, mas não pode ser constrangedora. com os padrões “tradicionais”, por resultarem de imposições ou restrições que não se adaptam à flexibilidade necessária nestes nossos dias de velocidade e de tempo escasso. ou mesmo com os motivos “contemporâneos”, nomeadamente ao nível da imagem, se forem também esses limitadores de uma liberdade de acção e de pensamento.
    sei lá… começo certa e determinada no pensamento e acabo sempre perdida em dúvidas.
    … ou então isto é bluff e estamos, de facto, num jogo de poker. ou, bem melhor, é apenas uma estória aparentemente simples, como a do josé carlos marques, onde no final vence o amor.

  23. ok ok, já te mostraste, dou a mão à palmatória. eu não digo que os queira para mim. era só para ver, tipo freak show, (ahahaha, joking). mera curiosidade. eu nem sei bem aquilo que quero. sei o que não quero. nem sei o que procuro. sei apenas o que encontro e não quero. ou nem isso.

    curti o vivam sem culpas…precisamos urgentemente de nos libertar de muita cena judaico cristã, muita mesmo. a culpa é uma delas. lejam responsáveis: libertem se da culpa!

  24. é sempre bom assistir a questões controversas.
    neste ritmo acelerado em que me encontro, o termo ‘moderno’ já perdeu a validade. por outro lado, não me sobram palavras nem tempo para esventrar a mulher, digamos, contemporânea. talvez porque as palavras acima falam de cânones sociais e neste momento estou em hipnose terapêutica para me livrar dessas pressões alheias.
    com filhos ou sem filhos, com pêlos ou sem pêlos, mulheres ou homens de hoje, vivam sem culpas e procurem ser apenas quem desejam ser. de preferência alguém melhor.

    beijos maf ;)

  25. Claro que existem. E andam aí. Mas não vou ser eu a procurá-los para ti, como é obvio :). De qualquer maneira, as pessoas moldam-se à imagem daquilo que são as suas necessidades, e assim sendo, se a tua necessidade é essa, encontra alguém que possa ser moldado à tua imagem!

    (mas devo dizer-te que não é surreal, porque eles existem. o exemplo que dei é aquilo que eu vivo neste momento. sem floreados de modo algum!)

  26. AHAHAHHAHAHA, oh josé carlos marques mostra me lá esse homem moderno, pelo amor da deusa! onde andam eles?? muito bom. estou a adorar ainda mais isto!

  27. Não estou de acordo com a maior parte do texto. Quer dizer, até identifico as necessidades, mas acho que partes de uma permissa adulterada. A mulher moderna, acima de tudo, tem liberdade para escolher o que é ser uma “mulher moderna”, e nesse sentido tens todo o direito, enquanto mulher, de descrever a mulher moderna presente em ti! Mas depois existem as outras, como a que descreve a Magui.
    Agora, se a mulher moderna dita “tradicional” (engraçado como as duas palavras se opõe, mas podem também ser usadas em sentença) vive para agradar o homem moderno, o que acontece é que a mesma tem que se agradar a si (e ter todas as “provocações” ao seu cérebro de que falas) e tem que pensar em agradar o homem (surgem aqui as necessidades estéticas, e a necessidade em ser e mostrar ser “inteligente”). E depois o homem interessa-se pela mulher, e por aí em diante.
    Tudo isto para dizer que a mulher moderna não tem, nem deve ter, que sujeitar-se a responder a uma imagem. A mim, pessoalmente, agrada-me muito mais a mulher que, modernamente, decide o que quer para si. A imagem que tenho neste momento dessa “mulher moderna”, baseado, como é óbvio, na minha mulher moderna ( :) ), é a seguinte:
    – a mulher moderna levanta-se cedo e escolhe a toilette de um monte de roupa que se acumula num canto da cozinha. Passa a ferro as peças que escolhe, prepara o pequeno almoço e engole o mesmo enquanto se actualiza com a internet e a tv ligadas. Antes disso já acordou o filho e já preparou o pequeno almoço para o mesmo tomar sentado no sofá. Leva o filho à escola e vai para o trabalho.
    A mulher moderna confia depois no homem moderno (que continua a dormir muito depois do seu dia começar) para limpar a casa e arrumar a cozinha. Para por a roupa a lavar e a secar. Para fazer o almoço, e fazer o jantar. E desta forma, quando a mulher moderna chega a casa, já o homem moderno fez aquilo que pôde, tem o jantar pronto para a mulher moderna, e recebe-a com um beijo. O dia continua em frente à tv, onde se discutem os assuntos do dia e se decide o que há para fazer nos dias seguintes.
    A mulher moderna gosta de receber uma sms durante a tarde e outra durante a manhã, para saber que o homem moderno é feliz com a mulher moderna que tem.
    A mulher moderna aproveita o fim de semana para descomprimir e beber uns copos. E não se importa que a casa esteja desarrumada durante o fim de semana, porque sabe que na segunda-feira pode contar com o homem moderno para por tudo outra vez no sitio.
    A mulher moderna preocupa-se com os assuntos do mundo, porque os mesmos afectam o homem e o filho moderno que tem em casa. Trabalha a km de casa, mas tem sempre um olho naquilo que está a acontecer do outro lado.
    E por muitas horas de trabalho, por poucas horas de sono, ou por muitos copos que tenha bebido na noite anterior, a mulher moderna parece sempre a mulher mais bonita do mundo.

  28. Falo-vos como se fosse um ucraniano cheio de cobre,

    E como qualquer ucraniano, com ou sem cobre, começo sempre com um pouco de rigor histórico: a primeira definição de modernidade foi publicada em 1500 (no ano do Senhor), ou seja, já cheira mal. A mulher, por outro lado, cheira bem, ou melhor, não tem de cheirar bem, mas o seu cheiro é atracção. A mulher moderna, aquela que já cheira mal, vê o que já foi feito, e como os modernos, diz que não quer fazer igual, quer fazer melhor. A mulher moderna faz melhor mas não melhora. A mulher moderna já era. Agora interessa é a mulher-de-emergência! Essa é, como na gíria do poker chamam de, jogadora agressiva, vai sempre a jogo confundido os adversários (homens, mulheres, animais de estimação…). A mulher-de-emergência não é moderna. Mas confunde.

    E como qualquer ucraniano, com ou sem cobre, fico-me por aqui.

  29. oh ana qdo falas no zé gil, lembro me sempre do nosso gil, que também é um grande filósofo e o responsavel pelo achamento do cú das mamas. nat precisas de voltar aqui e explicar o resto. também acho q nós as mulheres somos umas chatas e complicamos mais do q seria necessario. ou o ser humano complica. talvez seja mais isso: o ser humano complica, as mulheres complicam ainda mais um cadito, será? acho que vivemos tempos verdadeiramente novos (todas as gerações devem pensar isso, não?) e precisamos de novas reformulações da cena: a família está a mudar, os géneros femininos/ masculinos estão a mudar, de repente o mundo virou mesmo às cores…muitas coisas deixaram de ser só preto ou branco. talvez seja também necessario reformular o que é isto de ser mulher. ou não. gostei da ideia da luta entre o q sonhamos e o resto…

  30. enaaaa tantas contribuições! obrigada! vou basicamente respigar e reciclar todas as ideias que forem expostas aqui e fazer um upgrade do texto original. a ver no que dá. bijussss malta fixe :)

  31. ana

    as mulheres são é umas chatas do caraças.ihihih.
    mas o livrinho no verde dos capuchos ficou muito bonito.
    e bibó mcain.
    mas além disso, a magui tem mta razão nisso de mandar tudo às urtigas, assim como o q diz a inês, dessa modernidade que depois de ser pós já é supra.
    mas a luta entre o que herdámos, o que biologicamentes somos e o que sonhamos é tramada.
    a ideia da natacha é importante e talvez o fruto disto tudo.
    e viva o inscrever do josé gil.
    pensar em colectivo.
    beijinhos a toda(o)s.

  32. boneca

    a mulher moderna é uma mulher monótona como o raio….

  33. ser mulher/homem moderno é ter uma vida moderna, não é? é que ter um cérebro moderno é totalmente diferente.(espera, tenho que sair a correr mas depois explico melhor!!)

  34. Acho que o post está excelente! Parabéns Mafalda e pelo pouco que conheço és uma grande mulher em toda a ascensão da palavra. E do que vi e ouvi gostei mas do que vejo gosto ainda mais…
    Quanto à expressão “mulher moderna”, ora aí está um tema que faz correr muita tinta, inclusive existe uma revista com esse nome, o que poderia certamente ser uma excelente ajuda na definição desse conceito que quanto mais explorado mais abstracto se torna, senão vejamos já todos os comentários que antecedem o meu nos quais podemos ler vários e acertadíssimos conceitos dessa tal “mulher moderna” e não vamos falar das alunas da Universidade Moderna que de momento não foram ainda chamadas ao assunto sendo que acabam por ser intrinsecamente, pois as mulheres modernas são aquelas que vivem a actualidade e que se embrenham nela de tal forma que são quase que obrigadas a consumir tudo aquilo que foi já mencionado atrás e muito mais!!!
    De qualquer forma a minha intervenção/comentário insere-se na perspectiva do conceito adaptado ao homem, será que este ser não tem exactamente os mesmos problemas que a mulher para ser considerado o tal “homem moderno”? E reparem que esse conceito aplicado ao homem implica muitas mais mudanças ao conceito de “homem conservador” pois esse como todos sabemos não fazia mais que trabalhar para pôr o pão na mesa, o resto todos sabemos a quem competia!!! Hoje em dia é difícil ser-se o tal homem ou a tal mulher ditos modernos pois os conceitos esbarram neles próprios acabando inevitavelmente de não passar disso mesmo de conceitos!!! Dos quais surgem preconceitos e afins…
    Penso também que a terminologia utilizada para definir o “ser humano moderno” passa de uma forma ou de outra pela maneira como lidamos com a cultura, com a globalização excessiva e por vezes prejudicial ao próprio ser humano, sendo que este conceito poderá encerrar nele próprio uma série de outros conceitos que dependentemente do local do globo a que nos estejamos a referir vão mudar radicalmente tudo o que gira à volta do mesmo. Ainda assim e visto estarmos em Portugal, duvido que cheguem a acordo acerca do conceito se estivermos a falar do mesmo em Viana do Castelo, Porto, Lisboa ou Faro! Isto para não comparar o mesmo entre Portugal e Espanha… Enfim, é giro como um tema tem poder para nos fazer pensar tanto e em tanta coisa ao mesmo tempo.
    Eu sou fã das mulheres e tenho a dizer que só decidi comentar este artigo porque ele fez-me realmente pensar num sem número de coisas tais como a questão das presidenciais dos EUA, das exposições que quero ver, da minha cadelinha, da família que tenho que visitar, do Blindness que devo ver já através da net pois já está disponível e de mais uma série de coisas que tenho de fazer sem me esquecer de viver!!!
    Beijinho grande pra ti Mafalda… Puseste-me a pensar em tanta coisa… Uff!

  35. passion-fruit

    A mulher moderna não só depila as pernas como lhe encravam os pêlos nas virilhas das depilações cada vez mais cavadas que faz. A mulher moderna levanta-se cedo mas atrasa-se sempre. A mulher moderna anda linda em sapatilhas o dia inteiro, desloca-se nas suas quatro-rodas ou anda em transportes públicos, e chega a casa e faz uma sopa com coisas frescas e verdes. A mulher moderna come fruta e não tem vida para ginásios. A casa da mulher moderna é um palacete onde a mulher moderna destrói as mãos, porque não ganha o suficiente para pagar a uma mulher-a-dias que lhe lave, limpe, seque e engome a vida. Ainda assim, a casa da mulher moderna está limpa e as roupas estão nos armários ou noutro sítio qualquer entre o seu percurso de utilidade. A mulher moderna namora pessoas indisponíveis, por isso vive romances na sua cabeça e pensa no ter ou não ter eis a questão. A mulher moderna consome cultura. A mulher moderna não só sabe que o Obama ganhou as eleições, como já pensou sobre isso e afirmou que o mundo girou mais depressa hoje e que voltamos a ter esperança no mundo e que isso importa, ter esperança. A mulher moderna já fez piadas com a vitória do Obama, porque a mulher moderna tem sentido de humor. A mulher moderna viaja e tem os pais vivos que gostam de a mimar. A mulher moderna tem bichos que trata como família. A mulher moderna no meio disto vive e responde. Se preciso de boleia? Não, não preciso de boleia para lado nenhum.

  36. isso do moderno, modernidade, tem muito q se lhe diga. a modernidade já era. o que é moderno agora, em segundos deixa de o ser. a prova está nesse livrinho da imagem. aposto q de moderno, hoje, não tem rigorosamente nada. ou seja a modernidade é um conceito do passado. posso falar no que é ser mulher. ser mulher educada por outras mulheres. hoje. a viver num limbo estranho, com todas as referências da minha avó a preparar o banho e o belo do chinelo para o ser querido e adorado marido que era tratado como uma criança incapaz de realizar qualquer tarefa doméstica. no tempo dela ainda não existiam tampões e eu nem consigo imaginar como era a vida sem eles. eu hoje sinto me a mulher multi funções: estudo, trabalho, educo o meu filho, tenho desarranjos hormonais, pinto as unhas, visito os meus amigos, vou tendo alguma vida cultural, compro roupa para afogar as tristezas, faço contas à vida e ginásticas acrobáticas no cartão multibanco, tento ver as duas capitais por ano, não me privo do contacto com a natureza, preciso de ver filmes, acredito que amamos mais que uma pessoa na vida, preciso muito de dançar, de beber até cair pelo menos uma vez de 6 em 6 meses, tento manter a casa limpa, fazer ioga qdo me lembro, aprendo novas receitas….
    tem dias que só me apetecia ter nascido com uma pila. se o mundo hoje é mais certo, não sei. que tem dias que parece q está todo errado, tem dias tem…

  37. your.white.lóbe

    Onde é que se encaixam aqui as inúmeras garrafas de vinho que bebemos? O nosso divertimento pessoal é maior do que isso. À parte as donas-de-casa que somos e que odeamos sê-lo, gostamos de ser essas super-mulheres urbanas. E somos. E nesses dias e noites de vinho tinto ainda temos peito para mais, ou fígado para tanto. Relativizar e reivindicar, sempre. E o mundo hoje é de facto mais certo. Ainda nos resta a esperança de que tudo mude de novo. Bisou ma belle brunete.

  38. aahhahahaha, estou a adorar isto a sério! vou voltar já já aqui, agora não que sou uma mulher moderna e vou ter de trabalhar.

  39. margaridaribeiro

    e se a mulher moderna fosse quase o oposto disso tudo? se se estivesse marimbando para tirar os pelos a mais, se tivesse bigode, a casa em pantanas,quisesse lá saber quem governa o mundo, quer dizer, estados unidos, não se preocupasse minimamente com as aparencias, com o que os outros dizem,com as imposições desta sociedade que nos obriga a ser perfeitas. e se a mulher moderna unica e simplesmente fizesse o que lhe vai na alma?será isso possivel alguma vez? beijinhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s